Querendo ver outros blogs meus consultar a Teia dos meus blogs

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

I due foscari(VI)

Jacopo é desperto por Lucrezia que lhe traz a notícia da sua condenação ao exílio. Os dois falam do amor que sentem um pelo outro, e a esperança renasce no coração de ambos

LUCREZIA:
Ah, sposo mio! . . . che vedo?
Me l'hanno forse ucciso i maledetti,
e per maggiore qui tratta
a contemplar la salma?
Ah, sposo mio!
(Gli palpa il cuore)
Vive ancor!
Quale freddo sudore!
Vieni, amico, ti posa sul mio cor.

JACOPO: (sempre delirando)
Verrò . . .

LUCREZIA:
Che di'?

JACOPO:
M'attendi, orrendo spettro . . .

LUCREZIA:
Son io . . .

JACOPO:
Che vuoi? . . . Vendetta?

LUCREZIA:
Non riconosci la sposa tua?

JACOPO:.(Lucrezia lo abbraccia con trasporto)
Ah, sei tu?

LUCREZIA:
Ah, ti posa sul mio cor.

JACOPO:
Fia vero! Fra le tue braccia ancor?
Respiro!
Fu dunque sogno . . . orrendo sogno il mio!
Il carnefice attende? L'estremo addio
vieni ora a darmi?

LUCREZIA: (piangendo)
No.

JACOPO:
E i figli miei, mio padre?
Saran dischiuse loro queste porte,
pria che il sonno mi copra della morte?

LUCREZIA:
No, non morrai; ché i perfidi
peggiore d'ogni morte,
a noi, clementi, serbano
più orribile una sorte.
Tu viver dêi morendo
nel prisco esilio orrendo . . .
Noi desolati in lagrime
dovremo qui languir.

JACOPO:
Oh, ben dicesti! All'esule
più crudo della morte
da'suoi lontano è il vivere!
O figli, o mia consorte!
Ascondimi quel pianto . . .
Su questo core affranto
mi piomban le tue lagrime
a crescerne il soffrir.
(S'ode una lontana musica di voci e suoni)

VOCI: Tutta è calma la laguna;
Voga, voga, gondolier.

JACOPO:
Quale suono?

VOCI:
Batti l'onda e la fortuna
ti secondi, o gondolier.

LUCREZIA:
È il gondoliero,
che pel liquido sentiero
provar debbe il suo valor.

JACOPO:
Là si ride, qui si muor.
Maledetto chi mi toglie
a' miei cari, al suol natìo;
sul suo capo piombi Iddio
l'abominio e il disonor.
Speranza dolce ancora
non m'abbandona il core:
Un giorno il mio dolore
con te dividerò.
Vicino a chi s'adora
men crude son le pene;
perduto ogn'altro bene,
dell'amor tuo vivrò.

LUCREZIA:
Speranza dolce ancora
non m'abbandona il core,
l'esilio ed il dolore
con te dividerò.
Vicino a chi s'adora
men crude son le pene:
perduto ogn'altro bene,
dell'amor tuo vivrò, .


quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

I due foscari(V)

2º acto inicia-se na prisão onde Jacopo espera a sentença. É aí que tem uma visão de Carmagnola, como ele vítima da lei veneziana – uma visão que acaba por deixa-lo sem sentidos


Notte! Perpetua notte che qui regni!
Siccome agli occhi il giorno,
potessi almen celare al pensier mio
il fine disperato che m'aspetta!
Tôrmi potessi alla costor vendetta!
Ma, o ciel! . . . che mai vegg'io! . . .
(S'alza spaventato)
Sorgon di terra mille e mille spettri!
Han irto crin . . .
guardi feroci, ardenti!
A sé mi chiaman essi! . . .
Uno s'avanza! . . . ha gigantesche forme!
Il suo reciso teschio
ferocemente colla manca porta! . . .
A me lo addita . . . e colla destra mano
mi getta in volto il sangue che ne cola!
Ah! Lo ravviso! . . . è desso . . .
è Carmagnola!


Non maledirmi, o prode,
se son del Doge il figlio;
de'Dieci fu il Consiglio
che a morte ti dannò!
Ah! Me pure sol per frode
vedi quaggiù dannato,
e il padre sventurato
difendermi non può . . .
Cessa . . . la vista orribile
più sostener non so.



segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

I due foscari(IV)

Nos seus aposentos o Doge lamenta o destino do filho quando recebe a visita de Lucrezia que vem implorar clemência. Ela suplica-lhe que anule a sentença respondendo o Dodge que as leis de Veneza impedem-no de o fazer, mas que vai apelar junto do Senado



LUCRÉCIA

Son leggi ai Dieci
or sol odio e vendetta.
Tu pur lo sai che giudice
in mezzo a lor sedesti, c
he l'innocente vittima a'piedi tuoi vedesti;
e con asciutto ciglio hai condannato un figlio . . .
L'amato sposo rendimi, barbaro genitor.

Que pede à nora que não o insulte porque para lá de toda a crença humana o seu coração está ferido

Oltre ogni umano credere
è questo cor piagato! . . .
Non insultarmi, piangere
dovresti sul mio fato . . .
Ogni mio ben darei . . .
gli ultimi giorni miei,
perché innocente e libero
fosse mio figlio ancor.

LUCREZIA:
L'amato sposo rendimi,
barbaro genitor. Di sua innocenza dubiti?
Non la conosci ancora?


LUCREZIA:
Se tu dunque potere non hai,
vieni meco pel figlio a pregare . . .
Il mio pianto,
il tuo crine, vedrai,
potran forse ottenere pietà.
Questa almeno,
quest'ultima prova,
ci sia dato, signor, di tentare;
l'amor solo di padre ti mova, s'ora
il Doge potere non ha.

DOGE:
(O vecchio padre misero,
a che ti giova trono,
se dar non puoi,
né chiedere giustizia,
né perdono pel figlio tuo,
ch'è vittima d'involontario error?
Ah, nella tomba scendere m'astringerà il dolor!)

Caso não consiga ver o clip clicar <<<<<<<<< aqui


quinta-feira, 12 de novembro de 2009

I due foscari(III)

O Conselho acaba por determinar a condenação de Jocopo ao exílio. Nos seus aposentos o Doge lamenta o destino do filho, está triste, mas não tem controle sobre o facto do seu filho ter sido condenado ao exílio. Ele canta o seu lamento e não tem força para segurar as lágrimas.


Eccomi solo alfine . . .
Solo! . . . e il sono io forse?
Dove de'Dieci non penetra l'occhio?
Ogni mio detto o gesto,
il pensiero perfino m'è osservato . . .
Prence e padre qui sono sventurato!

seguido da romanza

O vecchio cor, che batti
come ai prim'anni in seno,
fossi tu freddo almeno
come l'avel t'avrà;
ma cor di padre sei,
vedi languire un figlio;
piangi pur tu, se il ciglio
più lagrime non ha.

Caso não consiga ver o clip clicar >>>>>>>>>>>>> aqui

sábado, 7 de novembro de 2009

I due Foscari(II)

Decidida a salvar o marido, nem que para isso tenha de defrontar o Doge, está Lucrezia, mulher de Jacopo. Pretende ser recebida pelo sogro mas canta a Deus Tu, sob cujo olhar onipotente todos os homens se alegram ou choram.

Quando a sua amiga Pisana entrando em lágrimas, lhe transmite a notícia de que Jacopo foi condenado ao exílio, provoca uma outra explosão de fúria de Lucrezia, cantando

La clemenza? . . . s'aggiunge lo scherno! . . .
D'ingiustizia era poco il delitto?
Si condanna e s'insulta l'afflitto
di clemenza parlando e pietà?
O patrizi, tremate . . . l'Eterno
l'opre vostre dal cielo misura . . .
D'onta eterna, d'immensa sciagura
egli giusto pagarvi saprà.

Este papel de Lucrécia é cantada por Linda Roark-Strummer

Caso não consiga ver o clip clicar >>>>>>>>> aqui


quarta-feira, 4 de novembro de 2009

I due Foscari

A 1ª cena do 1ºacto termina com a chegada de Jacopo que recentemente retornado do exílio, e trazido da prisão e expressa seu amor ao ver Veneza novamente

Ah sì, ch'io senta ancora, ch'io respiri
aura non mista a gemiti e sospiri.

Brezza del suol natìo,
il volto a baciar voli all'innocente! . . .

Ecco la mia Venezia! . . . ecco il suo mare! . . .
Regina dell'onde, io ti saluto! . . .
Sebben meco crudele,
io ti son pur de'figli il più fedele.
Dal più remoto esilio,
sull'ali del desìo,
a te sovente rapido
volava il pensier mio;
come adorata vergine
te vagheggiando il core,
l'esillo ed il dolore
quasi sparian per me.

e depois proclamando o seu ódio contra a injustiça que é alvo acusado de crime e traição a Veneza, mas confiando que será feita justiça

Chiudi il labbro, o mentitor.
Odio solo, ed odio atroce
in quell'anime si serra;
sanguinosa, orrenda guerra
da costoro si farà.
Ma dei Foscari, una voce
va tuonandomi nel core;
forza contro il lor rigore
l'innocenza ti darà.


Caso não consiga ver o clip clicar >>>>>>>>>> aqui

terça-feira, 3 de novembro de 2009

I due Foscari-Silenzo mistero

I due Foscari, foi a 6ª ópera de Verdi, com libreto de Piava a partir de obra homónima de
Lord Byron. Estreou há 165 anos no dia 3 de Novembro no Teatro Argentina em Roma.

Os membros do Conselho dos Dez, estão à espera para entrar na Câmara do Conselho para julgar uma importante caso envolvendo Jacopo Foscari, o filho do Doge, que vem acusado de
assassinato.

Silenzio, mistero -
Venezia fanciulla
nel sen di quest'onde -
protessero in culla,
e il fremer del vento -
fu prima canzon.

Silenzio, mistero -
la crebber possente
de' mari signora -
temuta, prudente
per forza e sapere,-
per gloria e valor.

Silenzio, mistero -
la serbino eterna,
sien l'anima prima -
di chi la governa . . .
Ispirin per essa - t
imore ed ardor.


Chega Loredano (inimigo de Jacopo) e o seu amigo Barbarigo que anunciam
que o Doge já entrou no hemiciclo. Todos entram na Câmara.

Caso não consiga ver o clip clicar >>>>>>>>>>> aqui

sábado, 24 de outubro de 2009

Sansão e Dalila-Final

Acabou hoje ao fim de três récitas, (acho sempre curto), o Festival anual de Ópera de Portimão, com a exibição da Ópera de Saint-Saenz, Sansão e Dalila, cantada por Carlos Guilherme e Alla Gorobchenko, uma mezzo ucraniana, que não conhecia e confesso nunca tinha ouvido falar, mas que me agradou.
Acrescento igualmente o bom desempenho do nosso barítono Luís Rodrigues no papel do Sumo.sacerdote.

Recordo aqui o final da ópera, nos papéis principais Plácido Domingo, Olga Borodina e Jean Philippe Lafont


domingo, 18 de outubro de 2009

Otello-Avé Maria

Nesta sexta-feira passada, dia 17 de Outubro, decorreu o 2ºdia de mais um Festival de Ópera de Portimão, julgo que pelo 4º ano seguido. Obviamente que não podia faltar, em cena um Otello de Verdi, que considerei interessante.

O papel protagonista cantado por um tenor brasileiro chamado Richard Bauer, que ouvi cantar pela primeira vez, com agrado. A Desdémona foi interpretada pela mezzo australiana Alexandra Wilson que já conhecia doutras incursões e a confirmação da qualidade do nosso barítono Luís Rodrigues, no papel de Iago.

O directo artístico destes Festivais é o mastro Ferreira Lobo, que desta vez não dirigiu a Orquestra do Norte, cedendo a batuta ao prestigiado maestro Felix Carrasco.

Desta ópera recordo aqui a Avé Maria, cantada no 3º acto dessa ópera, cantada por Kiri te Kanawa a fantástica soprano neozelandesa.

Ave Maria, piena di grazia, eletta
fra le spose e le vergini sei tu,
sia benedetto il frutto, o benedetta,
di tue materne viscere, Gesù.

Prega per chi adorando a te si prostra,

prega nel peccator, per l'innocente,
e pel debole oppresso e pel possente,
misero anch'esso, tua pietà dimostra.
Prega per chi sotto (animando)
l'oltraggio piega
la fronte e sotto la malvagia sorte;

per noi, per noi tu prega, prega
sempre e nell'ora della morte nostra,
prega per noi, prega per noi, prega.

Ave Maria. . .
nell'ora della morte.
Ave!. . .Amen!



sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Falstaff-Sul fil d'un soffio etesio

Comemora-se hoje a data de nascimento de Verdi, que aconteceu em La Roncole ducado de Parma, cidade próxima a Milão.

Aqui se relembra a título de homenagem da sua última ópera Falstaff, uma ária do 3º acto Sul fil d'un soffio etesio", cantada por Patricia Wise, com o apontamento de aparecer Juan Pons, fugazmente que aqui interpretava o papel protagonista.

Nanetta, desempenhando o papel da Rainha das Fadas, instrui seus ajudantes ( "Sul fil d'un soffio etesio" / "O sopro de uma brisa perfumada, voai, espíritos ágeis")

Sul fil d'un soffio etesio
Scorrete, agili larve;
Fra i rami un baglior cesio
D'alba lunare apparve.
Danzate! e il passo blando
Misuri un blando suon.
Le magiche accoppiando
Carole alla canzon.


Caso não consiga ver o clip clicar >>>>>>>>>> aqui

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Boris Godunov-2º acto

A ama procura consolar Xenia cantando uma canção popular sobre um mosquito e quando começa a cantar para Feodor, outra canção entra o czar Boris que também vem consolar a filha. Quando fica a sós com o filho, aponta-lhe orgulhoso os territórios que governa, dizendo-lhe que é possível que ele os herde brevemente .Mergulha depois em recordações que envolvem o falecido Dimitri e a sua chegada ao poder, lamentando

O povo vagueia perdido, faminto
a fome e a pobreza sufocam a Rússia
Pelos sofrimentos que deus lhes deu
como castigo para o meu terrível pecado
é a mim que me vêem como o causador
de todos os males e em toda a parte
se amaldiçoa o nome Boris.
O próprio sonho me evita
nas trevas da noite aparece-me a imagem
de um rapaz coberto de sangue
Com os olhos marejados as mãos postas
pede piedade
Mas para ele não houve clemência
a ferida aberta no seu peito
atormenta-me
Oiço os seus gritos de agonia
Ó Deus, nosso senhor, Ó Deus meu

Entra um boiardo que anuncia a chegada de Shuisky, aproveitando para advertir Boris que ele é um conspirador, Entretanto Feodor explica ao pai que o tumulto ouvido lá fora fora provocado por um um papagaio.

Quando Shuisky entra, Boris recebe-o como um astuto conspirador, mas este passa logo a informá-lo sobre a situaçõa na Lituânia ond apareceu um pretendente ao trono de Boris e que conta com o apoio dos polacos e diz chamar-se Dimitri.

Boris fica altamenete pertubado, que pede a confirmação a Shuisky a confirmação sobre a morte de Dimitri. Este confirma que o viu morto na catedal de Ouglich.

Quando Boris fica sózinho no aposento o tic-tac do relógio, submerge-o numa alucinação durante a qual vê o fantasma do czarevich assassinado, terminando a rezar uma oração pela sua alma

Não fui eu quem te matou
Não eu não
Foi a vontade do povo
Vai-te embora criança
Senhor. Tu que nunca pedes
a morte do pecador
tende piedade da alma pecadora
deste teu servo
czar Boris


Caso não consiga ver o clip clicar >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>> aqui



Caso não consiga ver o clip clicar >>>>>>>>>>>>> aqui



Caso não consiga ver o clip clicar >>>>>>>>>>>>>> aqui


segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Boris Godunov-Fim do 1º acto inicio do 2º acto

Fim do 1º acto

Enquanto os monges bebem, Varlaam cada vez mais ébrio uma canção que narra as façanhas de Ivan o Terrível em Kazam. Gergori não bebe e procura averiguar a melhor maneira de atravessar a fronteira lituana, pois tem o propósito de se fazer passar pelo príncipe Dimitri e reclamar o direito ao trono da Rússia. Batem à porta e entram uns polícias anunciando que trazem ordens para prender um monge herético chamado Otriepev, mas como são analfabetos dão a ler a descrição ao próprio Otriepev, que a falseia, fazendo com que corresponda à de Varlaam, que ao ler a descrição esclarece o equívoco, mas Grigori Otriepev consegue escapar

Início do 2º Acto

Nos aposentos do czar Boris no Kremlin, Xénia filha de Boris chora a morte do seu noivo

Onde estás meu noivo
onde estás, bem querido ?
Na tua tumba marinha
sozinho em terras alheias
estás deitado sozinho
por debaixo da pesada pedra
E não vês o tormento
nem ouves o pranto
da tua amada
que está só
como tu.

Enquanto a ama tenta consola-la



Caso não consiga ver o clip clicar >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>< aqui



Caso não consiga ver o clip clicar >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>> aqui

domingo, 26 de julho de 2009

Boris Godunov-1º acto(2ªParte)

1º Acto-I Cena

Grigori Otrepiev um jovem monge que dorme na mesma cela, acorda dum pesadelo e pede Pimen a benção enquanto os monges continuam a rezar. Grigori conta o seu pesadelo. Sonhava que caía duma alta torre de Moscovo enquanto a multidão gritava o apontava zombando dele.
Pimen conta-lhe o que está escrevendo, narra-lhe o assassinato do jovem príncipe Dimitri, filho do último czar, que foi usurpado do poder por Boris Godunov.
Constatando que o jovem Dimitri teria exactamente a sua idade se fosse vivo, Grigori esboça um plano para derrubar Godunov.

1ºActo-II cena

Numa estalagem na fronteira com a Lituania, enquanto trabalha a estalajadeira canta uma canção amorosa protagonizada por um pato. É interronpida pela chegada de dois monges Missail e Varlaam, que aparecem seguido por Grigori, que trocou as suas vestes pelas dum camponês.

Varlaam pergunta a Grigori porque está tão pensativo, já que estando na fronteira com a Lituânia, onde ele queria estar, deveria estar mais contente.
Grigori responde que só depois de lá chegar ficará tranquilo.
Varlaam não entende porque tem ele tato amor à Lituânia, pois

desde que fugimos do mosteiro
não temos problemas
Seja a LItuânia seja a Rússia
tanto nos faz
dsde que haja vinho a rodos,
E já cá está o vinho.




quarta-feira, 8 de julho de 2009

Boris Godunov-Prólogo

Boris Godunov é uma ópera escrita por Modesto Mussorgsky, baseado na obra homónima de Alexander Pushkin, concluída em 1825. O enredo situa-se no período que decorreu entre a morte do czar Feodor em 1598 e a coroação do primeiro Romanov em 1613, concretamente no reinado do czar Boris.

É uma ópera em 4 actos um prólogo e representa toda a evolução daquele período desde a proclamação e coroação até à autodestruição total.

No prólogo a cena passa-se no pátio do mosteiro de Novodevich, nos arredores de Moscovo. A multidão é admoestada violentamente por um guarda, para que se lamente ajoelhada no chão. Aparece entretanto Shchelkalov(v.Malchenko) o secretário do conselho de Estado, para anunciar que Boris Godunov se recusa a aceitar o trono da Rússia, apesar do apoio dos Boiardos (era o título atribuído aos membros da aristocracia russa do século X ao século XVII) e da Igreja Ortodoxa. Chega um grupo de peregrinos que vem fomentar esperança do povo ali reunido, pedindo para ir ao encontro do czar.

Na 2ª cena do prólogo, numa praça já dentro do Kremlin, o povo espera com impaciência, o anúncio da nomeação do novo czar. Por fim Shuisky (Alexander Sokolov) sai da catedral e aclama Boris como czar. O povo acolhe a aclamação com grande alegria. Boris (Eugeny Nesterenko) aparece junto da multidão com os símbolos do poder, mostrando-se solene mas atormentado.

Começando por dizer

Estou cheio de tristeza
Um temor estranho
e receio do futuro
oprimem o meu coração

depois pede a benção de Deus para que

eu seja justo e magnânimo como vós
e que leve a glória ao meu povo.

Acaba convidando todos

para a grandiosa festa
todos, ricos e pobres
todos podem vir
todos serão bem-vindos

O primeiro acto começa na cela do Mosteiro de Chudon, onde o Padre Pimen (Valery Yaroslavtsev), escreve à luz de uma vela. Escreve a última página da sua crónica da Rússia.
Dizendo que

um dia outro monge
servo de Deus, encontrará este meu trabalho
modesto, anónimo
e também ele, como eu
acenderá a vela, limpará este pergaminho
de pó acumulado pelos anos,
e transcreverá a história por mim escrita
para que os filhos da ortodoxia cristã
saibam o destino
por que passaram os seus antepassados.




Caso não consiga ver o clip clicar >>>>>>>>>>>>>>>>>> aqui
1ªParte


2ªParte

caso não consiga ver o clip clicar >>>>>>>>>>>>> aqui



3ªParte

Caso não consiga ver o clip clicar >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>> aqui


domingo, 5 de julho de 2009

Mefistófele-L altra notte in fondo al mare

Lina Bruna Rasa foi considerada a Santuzza ideal, pelo menos assim o considerou Pietro Mascagni o compositor da Cavalleria Rusticana.

Nasceu em Pádua e morreu em Milão em 1984 com 77 anos, depois de passar 36 anos num hospital psiquiátrico. Dizem contudo alguns colegas seus que nos princípios da doença se declarar, Lina intercalava momentos de esquizofrenia e enorme agitação, com outros de profunda apatia, porém quando começava a cantar, mostrava-se completamente lúcida.

Em Outubro de 1942 cantou pela última vez na arena ao ar livre de Pesaro.

Aqui Lina canta esta ária com que se inicia o terceiro acto de Mefistófeles a única ópera de Arrigo Boito, muito mais famoso como libretista, do que como compositor.

Margarida está encerrada numa prisão, prestes a ser executada sob a acusação de ter afogado o seu filho e envenenado a própria mãe. Nesta ária que dá início aos 3º acto, ela queixa-se da sua sorte, desculpando-se desses crimes que aliás cometeu levada pela loucura, ao ver-se abandonada por Fausto, estando grávida, asfixiou com as sua mãos o seu filho de tanto o abraçar, para que se não fosse, como o seu amado Fausto.

L'altra notte in fondo al mare
Il mio bimbo hanno gittato,
Or per farmi delirare dicon ch'io
L'abbia affogato.
L'aura è fredda,
Il carcer fosco,
E la mesta anima mia
Come il passero del bosco
Vola, vola, vola via.
Ah! Pietà di me!
In letargico sopore
E' mia madre addormentata,
E per colmo dell'orrore dicon ch'io
L'abbia attoscata.
L'aura è fredda,
Il carcer fosco, ecc.



Caso não consiga ver o clip clicar >>>>>>>>>>>>>> aqui

domingo, 28 de junho de 2009

Hamlet-Doute de la lumière

Da ópera em 5 actos Hamlet de Ambroise Thomas, com libreto de Michel Carré e Jules Barbier o dueto do prologo entre Ophélie (aqui cantada por Natalie Dessay ) e Hamlet (interpretado por Thomas Hampson) numa producão realizada em Paris no Théâtre du Châtelet, em Junho de 2000


Caso não consiga ver o vídeo clicar >>>>>>>>>>>>>>>>>>> aqui


quarta-feira, 17 de junho de 2009

Fausto-Alerte.. ou vous êtes perdus(final)

Fausto é a ópera mais famosa de Gounod, estrada em 1859 com libreto de Jules Barbier e Michel Carré, baseado na obra homónima de Goethe, adaptada ao gosto da sociedade do seu tempo a sociedade do Império de Napoleão.

Esta é a cena final dessa ópera, um trio cantado entre Fausto, Margarida e Mefistófeles

Na prisão, Fausto e Mefistófeles encontram Margarida adormecida. Ela perdeu a razão e aguarda a execução por ter morto o filho. Ao ouvir a voz de Fauto rlemebra com ternura os momentos felizes vividos com o seu amado, que lhe suplica fuja com ele, mas ao ver Mefistófeles, aterroriza-se e pedindo a protecção divina, cai morta no chão, Um coro de anjos transporta a alma dela para o céu.

Méphistophélès
Alerte!… ou vous êtes perdus!
Si vous tardez encor, je ne m'en mêle plus!

Marguerite
Le démon… le démon! le vois-tu? là dans l'ombre…
Fixant sur nous son œil de feu?
Que nous veut-il? chasse-le du Saint-Lieu!

Méphistophélès
Quittons ce lieu sombre, le jour est levé;
De leur peid sonore
J'entends nos chevaux frapper le pavé,
Viens, sauvons-la!
Peut-être, il en est temps encore!

Marguerite
Mon Dieu, protégez-moi!

Faust
Viens!

Marguerite
Mon Dieu, je vous implore!

Faust
Fuyons! Peut-être, il en est temps encore!

Marguerite
Anges purs, anges radieux
Portez mon âme au sein hes cieux!
Dieu juste, à toi je m'abandone!
Dieu bon, je suis à toi, pardonne!
Anges purs, anges radieux,
Portez mon âme au sein des cieux!…

Faust
Viens, suis-moi, je le veux!

Margeurite
Anges pur, anges radieux,
Portez mon âme au sein des cieux!

Méphistophélès
Hâtons-nous!

Marguerite
Dieu juste, à toi je m'abandonne!

Faust
Viens! suis-moi … je le veux!
Viens, viens! quittons ces leiux
Déjà le jour envahit les cieux!
Veins! viens! c'est moi
C'est moi que te l'ordonne!
Viens! viens!quittons ces lieux!
Déjà le jour envahit les cieux!

Méphistophélès
L'heure sonne!
Déjà le jour enhavit, enhavit les cieux!
Hâtons-nous, hâtons-nous de quitter ces lieux,
Déjà le jour envahit les cieux!
Suis nos pas…
Viens, ou je t'abandonne!
Hâtons-nous, hâtons-nous de quitter ces lieux!
Déjà le jour envahit les cieux!

Faust
Marguerite!…

Marguerite
Pourquoi ce regard menacant?
Pourquoi ces mains rouges de sang?
Va! tu me fais horreur!

Faust
Ah!

Méphistophélès
Jugée!

Apothéose
Chœur céléste

Chœur céléste
Sauvée!
Christ est ressuscité!
Christ vient de renaître!
Paix et félicité
Aux disciples du Maître!
Christ vient de renaître!
Christ vient de renaître!
Christ est ressuscité!

Katia RICCIARELLI(Margarida), William LEWIS(Fausto), Nicolai GHIAUROV(Mefistófeles)


Caso não consiga ver o vídeo clicar >>>>>>>>>>>>>>> aqui




Ou a versão cénica cantada por Freni, Kraus e de novo Ghiaurov

terça-feira, 16 de junho de 2009

Turandot-In questa Reggia

Eva Turner foi uma soprano que embora tenha falecido em 1990, ainda hoje é reconhecida como a interprete de eleição da Turandot de Puccini, que ela cantou pela primeira vez em 1926 no Scala,apenas 7 meses após a sua estreia, nesse teatro para onde foi contratada por Toscanini.

Aposentou-se dos palcos em 1948 dedicando-se depois ao ensino ainda por muitos anos. Estre os seus alunos mais famosos destacam-se Kiri te Kanawa e Gwyneth Jones, que tal como Eva Turner se destacaria igualmente cantando Turandot

Esta ária In questa Reggia é uma das mais famosas daquela ópera pode resumir-se no seguinte :

Desconhecido deixa todos estupefactos pela sua pretensão à mão da princesa, mesmo avisado para os perigo de vida que corria.

Surge Turandot, que olha o candidato com olhar frio, impassível, e cheio de desdém. Sua voz se faz soar pela primeira vez: "Neste palácio (In questa Reggia), já faz mais de mil anos, um grito desesperado ressoou; e aquele grito, da flor da minha estirpe, um eco eterno na minh'alma deixou. Princesa Lo-u-Ling!... Há séculos ela dorme na sua tumba enorme! Estrangeiro, desiste! Os enigmas são três, a morte é uma."

In questa reggia, or son mill'anni e mille,
un grido disperato risonò.
E quel grido, traverso stirpe e stirpe
qui nell'anima mia si rifugiò!
Principessa Lou-Ling, ava dolce e serena
che regnavi nel tuo cupo silenzio
in gioia pura, e sfidasti inflessibile e sicura
l'aspro dominio, oggi rivivi in me!

Pure nel tempo che ciascun ricorda,
fu sgomento e terrore e rombo d'armi.
Il regno vinto! E Lou-Ling,
la mia ava, trascinata da un uomo come te,
come te straniero, là nella notte atroce
dove si spense la sua fresca voce!

O Principi, che a lunghe carovane
d'ogni parte del mondo qui venite
a gettar la vostra sorte,
io vendico su voi, su voi quella purezza,
quel grido e quella morte!
Mai nessun m'avrà!
L'orror di che l'uccise vivo nel cuor mi sta!
No, no! Mai nessun m'avrà!
Ah, rinasce in me l'orgoglio di tanta purità!
Straniero! Non tentar la fortuna!
Gli enigmi sono tre, la morte è una!

porque não consigo trazer aqui o video com a Eva Turner trago  a sua aluna Gwyneth Jones (já retirada com 80 anos) para cantar

quarta-feira, 10 de junho de 2009

Macbeth-Come dal ciel precipita

Ghiaurov canta á conhecida ária de Banco do segundo acto desta ópera de Verdi

Lady MacBeth manifesta a sua estranheza pelos constantes temores do marido; agora ele é Rei dos Escoceses, as Profecias cumpriram-se, que perigos podem ameaçá-lo? MacBeth fala da outra Profecia que ainda não se cumpriu, aquela que anuncia Banco como semente duma longa Linhagem de Reis. Mas Lady MacBeth diz que esse perigo pode ser afastado: basta mandar assassinar Banco – conselho que MacBeth aceita e faz cumprir: Banco é assassinado e o seu filho foge é esta a situação

Studia il passo, o mio figlio...
usciam da queste tenebre...un senso ignoto
Nascer mi sento il petto,
Pien di tristo presagio e di sospetto.
Come dal ciel precipita
L'ombra più sempre oscura!
In notte ugual trafissero
Duncano, il mio signor.
Mille affannose immagini
M'annunciano sventura,
E il mio pensiero ingombrano
Di larve e di terror.

Ohimè!...Fuggi, mio figlio!...oh tradimento!


Caso não consiga ver o vídeo clicar >>>>>>>>>>>>>>>> aqui


terça-feira, 2 de junho de 2009

Sobre a morte de Nicolai Ghiaurov



Passam hoje 5 anos sobre a morte de Nicolai Ghiaurov o extraordinário baixo búlgaro, nascido em Velingrad a 13 de Setembro de 1929, vindo a morrer de ataque cardíaco em Modena em 2 de Junho do ano de 2004.

Cidade onde vivia com sua esposa s prodigiosa soprano Mirella Freni com quem casara em 1978.

Ghiaurov estreou-se em 1955, quando após vencer o Grande Prémio no Concurso Internacional de Canto em Paris e o primeiro prémio e medalha de ouro do quinto Festival Mundial da Juventude em Praga., fez sua estreia no mesmo ano cantando Don Basilio do Barbeiro de Sevilha de Rossini


Podemos ouvi-lo cantar a ária A te l'estremo addio da ópera Simão Bocanegra, cantado no Scala de Milão em 1978

A te l'estremo addio, palagio altero,
Freddo sepolcro dell'angiolo mio!...
Né a proteggerti io valsi!... Oh maledetto!...
E tu, Vergin, soffristi

Rapita a lei la verginal corona?...
Ma che dissi!... deliro!... ah mi perdona!
Il lacerato spirito
Del mesto genitore
Era serbato a strazio
D'infamia e di dolore.
Il serto a lei de' martiri
Pietoso il cielo diè...
Resa al fulgor degli angeli,
Prega, Maria., per me.

Assim canta Fiesco pai de Maria no prólogo desta ópera, chorando a sua desventura de pai.


quinta-feira, 28 de maio de 2009

Elena Souliotis

Elena Souliotis, a soprano grega que morreu com idade 61, foi aclamado como o provável sucessora de Maria Callas quando apareceu pela primeira vez em cena, em meados dos anos 1960.

Nasceu em Atenas em 28 de Maio 1943. Filha de mãe grega e pai russo. Quando Elena tinha apenas cinco anos de idade, seus pais emigraram para Buenos Aires, onde começou seu treinamento vocal.

Estreou-se quando tinha apenas 20 anos, na exigente papel de Santuzza na Cavalleria Rusticana. Em 1965 ela cantou o papel de Amélia em Un ballo em maschera. No ano seguinte fez sua estréia no La Scala, na abertura da época cantando Abigaille no melodrama de Verdi Nabucco, causando grande sensação.

Elena Souliotis morreu em 4 de dezembro de 2004, em Florença.

Aqui podemos ouvi-la cantar da ópera Força do Destino de Verdi a ária Son giunta grazie o Dio.


Caso não consiga ver o vídeo clicar >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>> aqui


terça-feira, 26 de maio de 2009

Eugene Onegin-Cena da Carta

Tereza Stratas é uma soprano canadiana, nascida em Toronto, de ascendência grega. Formada no Conservatório de Música da sua cidade natal. Fez a sua estreia com 20 anos cantando o papel de Mimi da Boheme.

Nesta cena do 3º acto, Onegin quer que Tatiana responda uma carta em que revela o seu amor por ela. Tatiana tristemente lhe diz que embora ainda sinta por ele o amor passional platónico de menina, agora ela é mulher, e nunca poderia encontrar felicidade e respeito com ele e diz-lhe que é tarde demais.

Ela ordena que ele a deixe para sempre. Ambos se separam para sempre.

Caso não consiga ver o vídeo clicar >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>> aqui


segunda-feira, 25 de maio de 2009

Beverly Sills

Beverly Sills, se fosse viva faria hoje 80 anos, porém faleceu em 2007. Nasceu nos Estados Unidos, e começou a cantar com o nome de Bubbles Silverman, utilizando o seu verdadeiro e as bolhas (Bubbles) que o seu feitio agitado e a sua cabeleira ruiva podiam sugerir.

A sua primeira professora Estelle Liebling, a quem dedica a canção que poderemos assistir no vídeo abaixo mostrado e que segundo ela foi a primeira canção que lhe ensinou tinha ela 10 anos, foi de grande importância na sua carreira, que se iniciou pelas operetas sendo a sua estreia na ópera como Frasquita, da Carmen de Bizet, na Philadelphia Civic Opera.

Em 1969, estreou-se no Teatro Scala, de Milão, com grande êxito, mas a sua carreira foi sempre mais produtiva no seu País, por razões de família, atendendo ao facto da saúde débil dos seus filhos, não lhe permitir ausências prolongadas.

Em 27 de outubro de 1980, Beverly Sills retirou-se dos palcos com uma gala de despedida na New York City Opera (é desse espectáculo que se refere o vídeo que aqui se publica).

No mesmo ano, tornou-se a directora geral do teatro, mantendo o posto até 1989.

Como disse no início morreu do dia 2 de Julho de 2007, vitima dum cancro no pulmão.

quinta-feira, 21 de maio de 2009

Il PIrate-Col Sorriso D'innocenza(Final)

Rosalind Plowright é uma das principais cantoras britânicas da actualidade, com passagem por todas as grandes casas de ópera do mundo.

Rosalind Plowright actuou na sua estreia americana ao lado de José Carreras. Ambos cantaram também Andrea Chenier em Covent Garden e gravaram La Forza del Destino para a Deutsche Grammophon .

Com Placido Domingo, actuou em II Trovatore em Covent Garden e gravou a mesma ópera para a Deutsche Grammophon

Com Luciano Pavarotti, actuou em Aida em Covent Garden e num concerto de gala na Arena of Verona.

Faz hoje dia 21 de Maio de 2009, 60 anos

Il Pirata é uma ópera de Bellini, a primeira que produziu em conjunto com o libretista Romani

Esta ópera acaba quando Imogène compreende que Gualtiero irá morrer, porue a sua condenação foi anuciada. Perseguida pelas imagens terríveis da execução que foi incapaz de impedir, Imogène exclama que nelas se esconde a sua própria morte.


caso não consiga ver o vídeo em fim de página clicar >>>>>>>>>>>>>>>> aqui


domingo, 17 de maio de 2009

Zaira-Ah, crudeli chiamarmi alla vita

Clara Polito, jovem soprano italiana nascida em Palermo, pertence à nova geração do bel canto pois apenas se estreou em 2001 no papl de Despina no Cosi fan tutte e em 2004 fez a rainha da noite na Flauta Mágica.


Zaira é uma ópera em dois actos de Belini a partir dum libreto de Felice Romani. Situada no tempo das cruzadas relata a tragédia do amor da criatã Zaira pelo sultão de Jerusalém Orosmane, muçulmano. Esta ópera não foi bem recebida na sua estreia no Teatro Régio de Parma e só no último quartel do século XX voltou a ser reavaliada num interpretação de Renata Scotto e Georgio Lamberti.



Caso não consiga ver o vídeo clicar >>>>>>>>>>>>>>>>>>> aqui


sexta-feira, 8 de maio de 2009

Aleko

A primeira profissão de Yevgeny Nesterenko foi a de arquitecto, formado em Leninegrado, mas os seus dotes vocais trouxeram-no para a música, vndo a estudar no conservatório da sua cidade natal, tendo sido convidado a cantar na ópera de Maly, ainda no seu último ano de conservatório, onde aliás ainda hoje lecciona.

Conta no seu repertório com interpretações nas principais óperas russas, para a soa voz de baixo, mas o grande destaque é para o papel do czar Boris na ópera de Mussorgsky' Boris Godunov.

Claro que já percorreu todos os grandes palcos europeu, destacando contudo a curiosidade de ele e a soprano Elena Obraztsova, terem sido os primeiros solistas russos a cantar no Scala.

Aqui a sua interpretação é da cavantina de Aleko, da ópera do mesmo nome de Rachmaninoff

Caso não consiga ver o filme clicar >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>> aqui


quarta-feira, 6 de maio de 2009

Otello- Già nella notte densa

Para mostrar a profundidade do amor de Otello e Desdémona, Boito o libretista desta ópera, acrescentou um dueto de amor no final de primeiro acto.


Giacomo Lauri Volpi canta com Maria Caniglia, que embora já falecia há 30 anos permanece reconhecida como uma das principais vozes soprano dramática italiana.

Caso não consiga ver o vídeo clicar >>>>>>>>>>>>>>>> aqui


domingo, 26 de abril de 2009

Edgar-Questo amor, vergogna mia

A interpretação é do barítono Ilya Silchukov cantando a ária de Frank, "Questo amor, vergogna mia" , porque Frank olha Tigrana de longe e canta de seu amor por ela. Ele cresceu com ela e ama-a muito, mas ela não corresponde a esse amor porque prefere Edgar. Frank considera também o seu amor abusivo, uma vez que são quase como irmão e irmã.

Caso não consiga ver o vídeo clicar >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>> aqui


sexta-feira, 17 de abril de 2009

Rigoletto-Cartigiani vil razza donnata

Leo Nucci nasceu em 16 abril, 1942, em Castiglione dei Pepoli, perto de Bolonha, é um dos principais barítono da ópera italiana, especialmente admirado em papéis Verdianos.

Estudou com Giuseppe Marchese e fez sua estréia no palco Spoleto, como Figaro no Barbeiro de Sevilha em 1967, aderiu ao coro de La Scala, em Milão, e fez o seu debut a solo ali em 1975, novamente como Figaro.

Sua carreira teve rápida ascenção internacional, estreando na Royal Opera House, em Londres, como Miller em Luisa Miller, em 1978, e no Metropolitan Opera, em Nova Iorque, como Renato em Un ballo em maschera, em 1980.

Renato também foi sua estreia na Ópera de Paris 1981, e no Festival Salzburgo em 1989, sob a direcção de Herbert Von Karajan.

Seu repertório inclui todo o repertório italiano do bel canto ao verismo, mas a sua voz sonora, segura, técnica e dramática habilidades são melhor evidenciadas em Verdi. n Ele cantou o papel de Rigoletto sozinho mais de 400 vezes.

Nucci tem obtido muito êxito da sua longa carreira, ainda activa. Ele está casado com a soprano Adriana Anelli, com quem tem uma filha chamada Cinzia.

Aqui Leo Nucci canta a ária "Cortigiani, vil razza dannata" do Rigoleto do II Acto, papel que ele já cantou mais de 400 vezes.

Caso não consiga ver e ouvir o vídeo clicar >>>>>>>>>>>>>>>>>>>> aqui


terça-feira, 14 de abril de 2009

Don Carlos-Tu che le vanita

Aprile Millo é uma soprano novaiorquina nascida a 14 de Abril de , filha de cantores de ópera, com quem começou os seus estudos, ganhando os seus primeiros concursos bem cedo como o das vozes Verdianas em Busseto, terra natal de Verdi, em 1978.


Sua consagração no mundo da ópera foi dramática, em 1984 substituiu à última hora Anna Tomowa-Sintow como Amélia em Simon Boccanegra no Metropolitan de NY.

Aqui podemos ouvi-la cantar uma ária da ópera Don Carlos, "Tu che le vanita" .

Caso não consiga ver e ouvir o vídeo clicar >>>>>>>>>>>>>>>> aqui


domingo, 12 de abril de 2009

Sonambula-Final

A interprete é a soprano italiana Mariella Devia, nascida em Chiusavecchia a 12 de Abril de 1948, tendo estudado na Accademia Nazionale di Santa Ceciia em Roma. Estreou-se em Treviso cantando Lucia de Lamermmoor em 1973. A estreia no Scala só aconteceu 15 anos depois como Julieta da ópera I Capuleti e i Montecchi.


Caso não consiga ver o vídeo clicar >>>>>>>>>>>>>>>>>>> aqui


quarta-feira, 8 de abril de 2009

La Gioconda-A dança das horas

Dança das Horas é um ballet incorporado na Ópera La Gioconda de Amilcar Ponchielli

É executado no 3º acto denominado Ca' d'Oro ("A Casa de Ouro"). A execução de mudanças de vestes, de efeitos de luzes e com coreografias distintas, procura representar as horas do amanhecer, da manhã, da arde e da noite.

Estas mudanças simbolizam também a luta entre os poderes das trevas e da luz.

Caso não consiga ver o video clicar >>>>>>>>>>>>>>>>>>>> aqui