Querendo ver outros blogs meus consultar a Teia dos meus blogs

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Mirella Freni-1´parte

Mirella Freni nasceu a 27 de Fevereiro de 1935 é uma soprano italiana muito admirada pela qualidade de sua voz, sua óptima dicção e interpretações no palco. Seu repertório é formado por aproximidade quarenta papéis, de compositores como Verdi, Puccini, Mozart e Tchaikovsky. Freni foi casada por vinte e seis anos com o baixo búlgaro Nicolai Ghiaurov.

  • Aqui canta com Ghiaurov e Alfredo Krauss a cena final do Fausto


Mirella Freni nasceu em uma família da classe trabalhadora em Modena, sua mãe e a mãe de Luciano Pavarotti trabalharam juntas em uma fábrica de fumo na cidade.

Ela, aos dez anos de idade, venceu uma competição de uma rádio, cantando "Un bel dì vedremo". O mundialmente famoso e celebrado tenor Beniamino Gigli ajudou-a a aperfeiçoar sua voz e deu-lhe conselhos até ficar mais velha. Mirella fez sua estréia operistica em Modena em 1955, aos dezenove anos de idade, como Micaëla na ópera Carmen


  • Cantando Je dis que rien ne m'epouvante da Carmen


Nesse período ela cantou muitas outras vezes na cidade e casou-se com o maestro Leone Magiera, com quem teve um filho.

Em 1958 ela alavancou sua carreira, vencendo uma competição e cantando o papel de
Mimì da ópera La Bohème no Teatro Regio em Torino. Cantou com a Ópera Holandesa durante as temporadas de 1959 e 1960.

Ela ficou mundialmente conhecida quando executou Adina da ópera L'Elisir D'Amore (Donizetti) em uma produção de Franco Zeffirelli no Glyndebourne,


onde ela também cantou os papéis de Susanna e Zerlina de Mozart, nas temporadas de 1960 e 1962.

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Renata Scotto-2ºparte

Durante a década de 1960 ela tornou-se uma das maiores cantoras do bel canto, revivendo a fase vivida por Callas na década de 1950.

Ela cantou Zaira e La Straniera de Bellini e Giulietta de I Capuleti e i Montecchi de Bellini, Maria di Rohan de Donizetti e Robert le Diable de Meyerbeer.

  • Dessa ópera canta Roberto, o tu che adoro



Em 1964, com uma produção do La Scala, ela apresentou-se no Teatro Bolshoi em Moscovo, a primeira companhia de ópera a fazer digressão pela União Soviética durante os anos da Guerra Fria.


A estreia nos Estados Unidos veio em 1960 como Mimi na Ópera Lírica de Chicago, mesmo ano em que se casou com o violinista Lorenzo Anselmi.

O casal teve uma filha e um filho. No dia 13 de outubro de 1965, Scotto fez sua estreia no Metropolitan Opera House de Nova Iorque como Cio-Cio San em Madama Butterfly.


Durante 22 anos, ela cantou mais de 300 vezes no Met, em 26 papéis diferentes.

Com Luciano Pavarotti, ela inaugurou as séries "Ao Vivo do Met" em 1977 com a ópera La Bohème de Giacomo Puccini.

  • Dessa ópera Si mi chiamano Mimì




Durantes os anos seguintes, ela estrelou as produções televisionadas Manon Lescaut, Luisa Miller, Don Carlo, Il Trittico, Francesca da Rimini e Otello.

  • Dessa ópera La canzone del salice

terça-feira, 1 de novembro de 2011

Renatta Scotto-1 ºparte

Rena Scotto nasceu em Savona na Itália a 24 de Fevereiro de 1934.

Reconhecida pelo seu senso de estilo, musicalidade e pelas suas habilidades teatrais, Scotto é considerada uma das proeminentes cantoras da sua geração, especialmente no repertório do bel canto, com excursões ao verismo e ao repertório de Giuseppe Verdi.

Além de perfeito domínio técnico, particularmente no que diz respeito ao emprego do pianissimo, Scotto possuía excelentes habilidades interpretativas. Sua carreira é usualmente mencionada em conexão com o trabalho de outras grandes cantoras líricas da segunda metade do século XX, tais como Joan Sutherland e Maria Callas, que contribuíram para a valorização dos aspectos dramatúrgicos da ópera através de um sólido e consistente trabalho de cena.

Ela fez sua estreia na sua cidade no Natal de 1952 aos dezoito anos como Violetta de La traviata (Verdi). e no dia seguinte, no Teatro Novo em Milão, no mesmo papel

  • Ei-la cantado com José Carreras Un di felice da Traviatta



Logo após, ela apresentou-se numa ópera de Giacomo Puccini, Madama Butterfly, em Savona e foi paga com 25 mil liras.


Em 1953, Scotto fez audições no Teatro alla Scala de Milão para o papel de Walter em La Wally de Alfredo Catalani, com Renata Tebaldi e Mario del Monaco. Após sua audição, um dos juízes, o maestro Victor de Sabata falou: "Esqueça o resto".

La Wally foi apresentada em 7 de dezembro de 1953 e Scotto foi chamada ao palco quinze vezes. Tebaldi e Del Monaco apenas sete.

  • Dessa ópera a conhecida ária "Ebben? Ne andro lontana


A maior oportunidade de Scotto veio em 1957: no Festival de Edinburgo, onde o La Scala apresentou sua produção de La Sonnambula de Vincenzo Bellini com Maria Callas como Amina.

A produção fez tanto sucesso, que a companhia teve que apresentar-se mais uma vez. Callas não pode aparecer nas performances por motivo de doença,

Scotto então assumiu o papel de Amina, substituíndo Callas no dia 3 de setembro de 1957. A performance foi de grande sucesso e assim, a soprano de 23 anos tornou-se uma estrela mundial.

  • Cantando Come per me sereno


Em 1961 ela interpretou Amina novamente, só que dessa vez no Teatro La Fenice com o tenor Alfredo Kraus.