Querendo ver outros blogs meus consultar a Teia dos meus blogs

domingo, 30 de janeiro de 2011

Fiorenza Cossotto (1ºParte)

Nasceu em 22 de Abril de 1935 em Crescentino na Província de Vercelli em Itália.

Estudou na Academia de Música de Turim, formando-se como a melhor da sua classe. Após seus estudos com Mercedes Llopart , ela fez a sua estréia como Irmã Matilde na estreia mundial da ópera de Poulenc o Diálogo das Carmelitas em 1957 no teatro La Scala. em Milão.

A sua estréia internacional foi em 1958 no Festival de Wexford como Giovanna Seymour na ópera de Donizetti, Anna Bolena . A sua estreia no Covent Garden foi em 1959 como Neris na Medeia de Cherubini com Maria Callas no papel titular

Eis Cossotto cantando dessa ópera Solo un pianto



Uma fantástica performance em 1962 no La Favorita no La Scala trouxe-lhe grande fama que a conduzio à sua estreia americana no mesmo papel em 1964, na Ópera Lírica de Chicago e mais tarde, em 1968 cantando como Amneris na Aida na Metropolitan Opera.

Ei-la cantando no Met a cena do julgamento dessa ópera



Durante 20 anos deu 148 representações no Met, cantando vários papéis quer como Mezzo-soprano quer mesmo como soprano nalgumas óperas, infelizmente só em estúdio como foram os casos da Lady Macbeth de Verdi em 1976 e na Marquesa de Poggio em 1974 gravada com José Carreras e Jessye Norman

Eis alguns dos seus papéis
  • La Favorita-Donizzeti cantando com Alfredo Krauss o dueto do 1º acto Ah mio bene


(continua)

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Eva Marton (4ªparte)

(continuação)
  • Papéis wagnerianos

Em 1976, ela fez a sua estreia no Metropolitan Opera em Nova York no papel de Eva em Os Mestres Cantores de Nuremberg de Wagner

Aqui, como não encontrei nenhuma gravação de Marton desse pequeno papel, trago a Abertura numa produção de 1948 dirigida por Toscanini



No Festival de Bayreuth, ela cantou os papéis de Elisabeth e de Vênus em Tannhäuser em 1977-1978.


Em 1982, Marton desempenhou o papel de Elisabeth, dessa ópera no Metropolitan Opera. Desse desempenho, o The New York Times escreveu:

Aqui nesse papel numa produção para o Met de 1982 cantando com Bernd Weikl como Wolfram.





A entrada em cena de uma cantora wagneriana totalmente amadurecido é sempre uma boa notícia. A notícia de hoje é que Eva Marton chegou.

O seu papel de Elisabeth em Tannhäuser na noite de segunda-feira, mostrou que ela tem o temperamento e qualidades vocais para se tornar numa soprano dramático do outro Mundo

. Ela pode, na verdade, já estar lá.

Marton mais tarde tornou-se numa intérprete habitual no papel da Brünnhilde no Anel do Niblungos de Wagner

Assim aconteceu em 1966 numa produção de Zubin Mehta num ciclo na Ópera Lírica de Chicago.

Aqui numa produção de 1985 canta com René Kollo como Siegfried.



Em 1998, ela apareceu em uma nova produção da ópera Lohengrin em Hamburgo, no papel de Ortrud.

Ei-la cantando com Béla Perencz (Telramund) numa produção em 2004 em Budapeste


sábado, 22 de janeiro de 2011

Eva Morton (3ªparte)

(continuação)

Estreou no Lyric Opera de Chicago em 1979 como Maddalena na ópera de Umberto Giordano Andrea Chénier

Ouça-mo-la cantar a ária La mamma é morta dessa ópera num concerto em 1994



Em 1981, apresentou-se no Festival de Ópera de Munique, no papel título A egipcia Helena de Richard Strauss com Wolfgang Sawallisch na condução

Aqui canta Zweite Brautnacht dessa ópera





Em 1982 e 83 cantou o papel de Leonore na Fidélio de Beethoven , ambas as apresentações realizadas por Lorin Maazel .

Aqui canta Abscheuliche dessa ópera



(continua)

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Eva Marton (2ªParte)

(continuação)


Em 1973 ele fez sua estreia na Wiener Staatsoper em Tosca ,

Aqui canta Vissi d arte numa gravação em 1994




em 77 foi a vez da Ópera de Hamburgo com Die Frau ohne Schatten por Strauss e a San Francisco Opera com ' Aida .

Uma gravação dessa época da cena final com Plácido Domingo



Em 1978 , veio a tão esperada estreia no Scala de Milão com o Trovador, no papel de Leonora (para alguns a melhor de sempre)

Aqui numa gravação 10 anos mais tarde cantando com Pavarotti, Dolora Zajick em Azuzena



(continua)

Eva Marton (1ªParte)

Éva Marton é uma soprano hungara nascida em Budapeste a 18 de Junho de 1943.

Estudou canto na " Academia "de Franz Liszt" em Budapeste, fazendo sua estreia como profissional no festival de ópera de Verão de ' ilha Margareten como Kate Pinkerton em Madama Butterfly de Puccini.

Ouçamo-la mas numa ária que pertence ao papel da protagonista e não ao de Kate Pinkerton



Ao longo dos anos, a Marton cantou em teatros de província, até que em 1968 entrou para a Hungria como a Ópera Estatal de Semak Queen no Galo de Ouro de Rimsky-Korsakov , cantando regularmente no teatro até 1972 .

Em 1972 veio o ponto de viragem na carreira do jovem soprano foi escolhido por Christoph von Dohnanyi a cantar ópera em Frankfurt , a Condessa das Bodas de Figado , cantado no Maggio Musicale Fiorentino - sob a direcção de Riccardo Muti,Mathilde, em Guilherme Tell de Rossini e voltou a Budapeste Odabella para cantar em ' Attila de Verdi .

Aqui canta a aria Santo di Pátria dessa ópera gravada nessa ocasião



(continua)

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Renato Bruson

* Em 1936 Nasceu perto de Padua o barítono italiano Renato Bruson, que se estreou em 1961 cantando o papel de Di Luna no Trovatore

A paixão pela música amadureceu no coro da paróquia, quando ele era criança. Ele iniciou seus estudos musicais no conservatório de Pádua, sendo premiado com uma bolsa que lhe permitiu tirar seus cursos ultrapassando os problemas económicos.

No ano seguinte à estreia ele foi Riccardo na I Puritani no Teatro dell'Opera di Roma , em Roma . Sua primeira aparição no Metropolitan Opera foi como Enrico em Lucia di Lammermoor em 1969 .

Em 1970 iniciou sua colaboração com o maestro Riccardo Muti em Un Ballo in Maschera , em Florença fazendo sua estréia no La Scala em 1972 como em Antonio na Linda di Chamonix e no Festival Internacional de Edimburgo em 1972, como Ézio em Átila , no Covent Garden em 1975 no papel de Renato na Un Ballo in Maschera, substituindo com grande sucesso Piero Cappuccilli .

. Na década de 80 voltou-se para o século 18 com Mozart em Don Giovanni e no verismo com Umberto Giordano cantando Andrea Chénier .

Ele é considerado por alguns críticos a melhor Rigoletto desde Tito Gobb, dessa opera ouçamo-lo cantar a area Cortigiani, vil razza dannata


terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Francesca de Rimmi-Cena final

No ano de 1906 Rachmaninoff estreia em Moscovo suas 2 óperas de um acto The Miserly Knight e Francesca da Rimini .

Desta última a cena final com Sergei Leiferkus, Baritono; Natalia Kalita, Soprano; Konstantin Andreev, Tenor e Mikhail Pletnev, Conduzindo . Russian National orquestra e o Chamber Choir of the Moscow Conservatory, tendo como Boris Tevlin.



segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Lucrecia Borgia-1º acto(Final)

Gennaro e seus companheiros ao sair de casa para uma festa e passando pelo palácio do duque deparam com as grandes letras dourados de "Borgia" na portão do palácio.

Ansiosa para mostrar o seu desprezo pela família Borgia, Gennaro remove as iniciais 'B', deixando o obsceno "Orgia"

No palácio, Lucrezia na câmara do Duque , ela exige a morte para o autor, não sabendo que é Gennaro.

O duque Gennaro ordena para ser trazido à sua frente e acusa-o de manchar o nobre nome de Borgia, um crime que ele prontamente confessa , horrorizado, tenta desculpar o insulto como uma brincadeira juvenil, mas D. Afonso acusa Lucrécia de infidelidade, tendo em conta a a sua reunião com Gennaro, em Veneza.

Numa cena cheia de drama e tensão, ela nega qualquer conduta imprópria, mas ele exige a morte do prisioneiro e força-a escolher o modo de execução de Gennaro. Fingindo perdoá-lo, o duque Gennaro oferece um copo de vinho e ele engole.

Depois de um trio impressionante (Guai se ti moto sfugge un, Se ti tradisce detto un!) As folhas de Duke e se apressa para Lucrezia Gennaro, dando-lhe um antídoto para o veneno do Duque tem misturado com o vinho.

Ele bebe, e em um dueto passado, ela lhe implora para fugir da cidade e seu marido. (Bevi e fuggi ... te'n prego, o Gennaro!) (Bevi e fuggi ... te'n prego, Gennaro o!)





Ou esta magnigica interpretação de
Giuseppe Filianoti - Gennaro
Mariella Devia - Lucrezia Borgia
Alex Esposito - Duca Alfonso

cantado o trio do 1ºActo