Querendo ver outros blogs meus consultar a Teia dos meus blogs

quinta-feira, 9 de agosto de 2007

Va pensiero-Nabucco

Nabucco, uma das primeiras óperas de Verdi, (3ª) estreou em 1842 no La Scala de Milão. A história fala sobre judeus escravizados na Babilónia e era particularmente significativo para o povo italiano.

Naquela época, a Itália não era a nação soberana que é hoje, era dividida em cidades-estados que eram controladas por forças estrangeiras.

Os austríacos controlavam o norte da Itália, os Bourbons governavam em Nápoles e o Papa detinha o poder em Roma e nos Estados Papais. O sentimento patriótico era grande e o movimento Risorgimento adotou Verdi como defensor (risorgimento significa, literalmente, ressurgimento, renascimento).

No famoso coro "Va, pensiero", os escravos hebreus refletem com pesar sobre sua amada terra natal; era a expressão perfeita de nacionalismo e ainda é tocado em ocasiões nacionais até hoje.

Retirado do site da Metropolitan Opera Information Center

A gravação audio é Philarmonia Orquestra e Ambrosian Oera Chorus sobre a direcção de Riccardo Muti

No vídeo é a Orquestra e Coro do Teatro Nacional de Ópera de Paris, direcção de Nello Santi, em 1979




6 comentários:

marta disse...

Adoro as Óperas de Verdi!

São, também, exaltantes.
O também tem a ver com Wagner.

Podias fazer os comentários em janela pop-up para se ir ouvindo enquanto fazemos os comenttários.

Eu e a mania do despachanço!


Beijinho

elamourual disse...

Essa ópera sempre me emocionou! Magnífica!

Crodonilson Silva disse...

simplesmente DIVINAL como voa os nossos pesamentos sobre estas asas douradas

Crodonilson Silva

Luís Maia disse...

Caro Crodonilson

Ainda bem que a ópera o inspira dessa maneira

Se quiser visitar o meu blog
Sindicato de Óperários (basta fazê-lo nas etiquetas laterais)

Poderá seguir algumas óperas por inteiro, com as explicações possíveis, para que possam ser melhor seguidas

Actualmente estou a "publicar" o I pagliacci

Um abraço

José Americo disse...

Esta ópera é um encanto para quem a ouve.
Sempre que a ouço, transporto-me para um plano transcendetal.
Professor Americo

Anónimo disse...

Esta ópera é um encanto para quem a ouve.
Sempre que a ouço, transporto-me para um plano transcendental.
Professor Americo