Querendo ver outros blogs meus consultar a Teia dos meus blogs

sábado, 1 de setembro de 2007

Il Trovatore-D amore sull ali rosee




O quarto e último acto deste quadro inicia-se junto á torre do palácio, onde Manrico está preso.


Ruiz o seu fiel amigo traz Leonora até ali, dizendo-lhe que só ela pode salvar Manrico, pois este tinha sido capturado ao tentar salvar Azucena. Estando ambos encarcerados esperando a execução.

Depois dum pequeno recitativo, onde Leonora diz que apesar de tudo está próxima do seu amado, enquanto lembra o seu amor, cantando uma das árias mais famosas desta ópera "D amor sull all rosee" onde diz

Sobre as asas rosadas do amor
vai, suspiro doloroso,
e do infeliz prisioneiro
conforta a tétrica mente
Como um vento de esperança
move-te pela sua cela
e desperta-lhe as recordações
dos nossos sonhos de amor !
Mas não lhe contes desprevenidamente
as penas do meu coração"

A gravação audio é interpretada por Leontyne Price


Para ver o vídeo clicar aqui para ouvir a magistral Monserrat Caballé

7 comentários:

Moura Aveirense disse...

É bom partilhar "manias" comuns... vim cá parar por acaso e gostei. Vou voltar mais vezes.

Cumprimentos, Moura Aveirense

marta disse...

Uma beleza de uma interpretação.

Magistral, usado com muita propriedade

lfm disse...

Obrigado Moura pela mania comum é lindo gostar de ópera. Ao fim de muitos anos continuo a sofrer com a morte da Mimi, da Tosca, do suicídio da Butterfly a dor da Azucena a loucura da Lucia, etc. etc.

Marta

A Caballé é uma das divas imortais.

Ouvi-la cantar ao vivo então é arrepiante

Moura Aveirense disse...

:) Sei o que isso é... Este Verão vi a "Tosca", no Festival de ópera de Bregenz, no lago Constance. A morte do Mário e da Tosca foi um sofrimento, tão real naquele cenário.

lfm disse...

Moura

Maravilha

Já assisti a muita ópera ao vivo, mas sempre em Portugal. Saberá que houve tempo que estávamos em dia com os grandes espectáculos e com os grandes interpretes. Ate isso se perdeu.

Nunca vi nada no estrangeiro

Conto não morrer antes de pisar pelo menos uma vez o Scala de Milão .

Luís Maia

Maria disse...

Já "pisei" o Scala, não tive oportunidade de ver nenhum espectáculo mas não saí de lá sem ir ao wc e fazer um xixizinho.

lfm disse...

Ola Maria

Já é alguma coisa. Imagino que no Scala, mesmo em xixi, teremos por certo cuidado de não desafinar.
Sou modesto no Scala queria ouvir uma Norma com a Caballe, uma Tosca com o Plácido, uma Lucia com a Callas, qualquer coisa pelo Pavarotti de antigamente uma Aida pelo Bergonzi, uma Lucrécio Borgia com a Dame Sunderland, uma Cavalleria com a Simeonato, um Trovador com Fiorenza.

Programa modesto com vê.