Querendo ver outros blogs meus consultar a Teia dos meus blogs

segunda-feira, 30 de julho de 2007

Tu Tu piccolo iddio-Butterfly

Esta entrada tem um duplo significado anotar a recente morte da soprano búlgara Anna Tomowa-Sintow de quem aliás nunca gostei "profundamente" e que ouvi cantar em Lisboa, se me não engano a Tosca.

Aqui na Madame Butterfly de Puccini canta a ária final TuTu piccolo iddio.

Butterfly uma japonesa que Pinkerton um oficial da marinha americana, havia "alugado", quando da sua comissão de serviço naquele País, levou a sério o casamento que tinha acontecido, cortando com toda a sua família que a amaldiçoara.

Pinkerton tinha regressado à América e a jovem Cio-Cio-San assim se chamava ela originalmente, continuava sonhando com o seu regresso como diz na wikipédia Ela chora, mas não perde a esperança: Un bel dì vedremo - um belo dia veremos um fio de fumaça no horizonte - o navio de Pinkerton (um ária que publicarei depois).

Pinkerton realmente volta mas já casado com uma americana, vem buscar o filho que Butterfly tivera.

Esta é a cena final, quando Butterfly se despede do filho antes de suicidar, esta ária quando bem cantada e quando as sopranos se convencem que ópera não é só voz é também teatro que tem uma componente cénica que não se pode desprezar, quando assim é, esta cena é arrepiante, acaba ouvindo-se a voz de Pinkerton, provavelmente já arrependido diz o guião ( eu não acredito) gritando pelo nome de Butterfly.

A não tradução das palavras de Butterfly, deve-se ao facto de estar legendado em inglês.

4 comentários:

Luis Maia disse...

O colonialismo, obriga-nos a pensar em quantas Butterflys existiram, algumas até só enganadas pela própria miséria.
E no caso português em A
àfrica ?, tanta história que está por fazer

Cristina disse...

custa pensar nisso. mesmo.
gostei desta Butterfly.
abraço.

CNS disse...

Sem dúvida que este blog foi das melhores supresas dos ultimos tempos. Uma delicia para os apaixonados da Opera. Parabéns!

Luis Maia disse...

Obrigado CNS
pelas suas palavras,

A si é que agradeço o texto que publicou no seu blogue, e que chamou Isabel, um verdadeiro poema

Obrigado Cristina
Vou voltar à Butterfly, Um bel di vedermo é a ária da ilusão, onde ela ainda sonha com a chegada do seu Pinkerton.