Querendo ver outros blogs meus consultar a Teia dos meus blogs

sábado, 6 de outubro de 2007

Giuditta-Meine Lippen sie Kussen so heiss

Quando alguém afirmar que a ópera é chata, cantada por gordas feias que só sabem gritar, apresentem-lhes Anna Netrebko, uma jovem soprano russa de 36 anos.

No meu blogue Sindicato de Operários, vou iniciar a apresentação da ópera Elixir do Amor de Donizetti, onde espero apresentar alguns clips de árias, cantadas por esta bela soprano, que contradiz em absoluto esse lugar comum, das soprano gordas e feias ... pelo menos por enquanto.

É um produto técnico da Escola de São Petersburgo e do seu orientador vocal o maestro Valera Gergiev, que a descobriu quando começou a trabalhar lavando o chão do Teatro Mariinsky.

Isto sim chama-se começar por baixo.


Descobri este magnifico clip de Anna Netrebko cantando num Prom, com uma graciosidade espantosa (aproveitando o clima favorável desse concertos) um trecho duma opereta de Franz Lehar, "Giuditta"

"Meine Lippen sie Kussen so heiss".

Para ver esta delícia clicar aqui

Como acho que amar também é comparar, aproveito para incluir a interpretação do mesmo trecho, na voz doutra soprano também ela deliciosa a veterana Ileana Cotrubas, que em tempo publiquei no meu blogue Sindicato de Operários.

Para ouvir clicar aqui


6 comentários:

Maria disse...

Ouvi-a cantar há dois anos em Salzburg e gostei. E é, de facto, muito bonita!

LFM disse...

Claro que é jovem, tem que aprender e melhorar.

Se se envaidecer pode perder-se nos meandros dos circuitos comerciais que rapidamente lhe rebentam com a voz. obrigando-a a cantar o que não sabe ou, pior ainda aquilo que não pode.
Siga o exemplo da Callas, não fazendo o que ela fez.

Maria

disse-me só que ela é bonita não me disse se gostava dela.
Vou acrescentar uma adenda á entrada que talvez seja interessante

Maria disse...

Gostei da voz sim, aveludada e bem modelada, e da interpretação - fazia o papel de Violeta, na Traviata.
Espero, realmente, que a beleza não seja um incentivo para estragar a carreira.
Quanto à Callas, sou suspeita, mesmo com a voz já num caco, á a minha preferida!

LFM disse...

Maria

Para mim também, a Callas está lá em cima, mas não deixo de não reconhecer e de lamentar a forma com acabou.

A Moura Aveirensa que por aqui aparece não gosta "excessivamente"(digo eu) da Callas referindo os seus vibratos.

Anda por aí no You Tube uma "O mio bambino caro" pela Callas dos grandes tempos.

Essa ária aparece cantada por várias sopranos também por lá, basta ouvir algumas delas para perceber o porquê de se dizer que Callas é o padrão da qualidade.

Pode ouvir-se Tebaldi, Caballé (para mim não há Norma como a dela), e outras, mas Callas é a Callas

Moura Aveirense disse...

Também coloquei este vídeo no meu blog, foi uma agradável surpresa da "Barbie" Netrebkko ;)

Quanto à Callas, não duvido da qualidade da sua voz e do seu carisma, e já me emocionei com a sua voz... cada um tem o seu gosto pessoal e há algo (o vibrato, provavelmente) que realmente às vezes me desagrada. São gostos...

Cumprimentos, a Moura Aveirense - "que por aqui aparece", sempre que pode ;)

Luís Maia disse...

Pois é Moura, eu não critico gostos, era o que faltava.

Reconheço muito bem as críticas que são feitas à Callas nomeadamente essa dos vibratos e sobretudo do fim de carreira.

Tenho a opinião que a Callas, dos seus tempo áureos era insuperável, até pela enorme capacidade interpretativa, (mesmo só a questão cénica), náo esquecendo que ela recuperou óperas já esquecidas.

Quando falo da Callas padrão, digo em relação a determinadas óperas, do mesmo modo que já disse não haver Norma como a da Caballe, Borgia como a da Sutherland ou Boheme como a da Freni.

Para mim para o meu gosto

Gosto da Callas mas não sou fanático mas se fosse por alguém era pelo Pavarotti.